quarta-feira, 15 de julho de 2009

Vila Rica

Conheci uma senzala em Ouro Preto e soube que a vida útil de um escravo não passava de 7 anos. Porcos viviam melhores. O ouro era a moeda de troca. No auge, a cidade tinha mais habitantes que Londres. Neste inverno o festival homenageia o Clube da Esquina e encontro amigos no frio úmido da época do ano. Novos projetos, novos caminhos surgem como perspectivas de vida. A cidade respira inconfidências e Marilia de Dirceu (outra personagem incorpora sua personalidade) caminhando pelas ladeiras e becos da cidade se comunica com a linguagem da época oitocentista.
Do alto do Morro de São Sebastião vejo o nascer e o por do sol na mesma posição geográfica dos primeiros habitantes da região.

4 comentários:

Vitor Novais disse...

Virou imagem de meu Desktop!

Brasil Empreende disse...

Ola visitei seu blog e gostei muito e gostaria de convidar para acessar o meu também e conferir a postagem desta semana: Guerra Política acirra disputa entre Brasil e Argentina.
Sua visita será um grande prazer para nós.
Acesse: www.brasilempreende.blogspot.com
Atenciosamente,
Sebastião Santos.

Sandman disse...

Interessante como o olhar vai direto a igreja no alto do morro!

Sandman disse...

Interessante como o olhar é direcionado primeiramente para igreja no alto do morro.