sexta-feira, 9 de abril de 2010

Soberania

Retrato do poeta Manoel de Barros em azul acima da máscara

É da natureza dos grafites urbanos serem sobrepostos ou deletados. Na pequena e abandonada praça em frente à Camara Municipal de São Paulo, no início da Rua Santo Antonio, este grafiti já mostrou o poeta Manoel de Barros na parede limpa. Ontem estava assim. A praça fica em frente ao quinto maior orçamento público do Brasil. Pela manhã fede a merda. Mendigos a usam como mictório. As crianças não aparecem porque os brinquedos apodreceram. Quem sabe um dia os vizinhos se mobilizem e reinvidiquem a recuperação da praça e a renomeiem em homenagem a este poeta que considero um dos melhores que já lí.

Soberania

Manoel de Barros

Naquele dia, no meio do jantar, eu contei que
tentara pegar na bunda do vento — mas o rabo
do vento escorregava muito e eu não consegui
pegar. Eu teria sete anos. A mãe fez um sorriso
carinhoso para mim e não disse nada. Meus irmãos
deram gaitadas me gozando. O pai ficou preocupado
e disse que eu tivera um vareio da imaginação.
Mas que esses vareios acabariam com os estudos.
E me mandou estudar em livros. Eu vim. E logo li
alguns tomos havidos na biblioteca do Colégio.
E dei de estudar pra frente. Aprendi a teoria
das idéias e da razão pura. Especulei filósofos
e até cheguei aos eruditos. Aos homens de grande
saber. Achei que os eruditos nas suas altas
abstrações se esqueciam das coisas simples da
terra. Foi aí que encontrei Einstein (ele mesmo
— o Alberto Einstein). Que me ensinou esta frase:
A imaginação é mais importante do que o saber.
Fiquei alcandorado! E fiz uma brincadeira. Botei
um pouco de inocência na erudição. Deu certo. Meu
olho começou a ver de novo as pobres coisas do
chão mijadas de orvalho. E vi as borboletas. E
meditei sobre as borboletas. Vi que elas dominam
o mais leve sem precisar de ter motor nenhum no
corpo. (Essa engenharia de Deus!) E vi que elas
podem pousar nas flores e nas pedras sem magoar as
próprias asas. E vi que o homem não tem soberania
nem pra ser um bentevi.

Texto extraído do livro (caixinha) "Memórias Inventadas - A Terceira Infância", Editora Planeta - São Paulo, 2008, tomo X, com iluminuras de Martha Barros.
P.S. Para o Mario Abel, morador do prédio vizinho à praça e que foi meu assistente.



Um comentário:

Sandman disse...

Ae Juva.
O condominio está mobilizado a mudar a cara daquele lugar. Que infelizmente está entregue as traças, e servindo de fumodramo aos viciados em crack.
Vamos ver, disseram que terão uma resposta até o final de agosto.
abs